POSTADO PELO GIBRA NO DIA 16/10/2017 ás 10:10

Moa Siqueira

Moa é nascido em Juiz de Fora e tem uma formação bastante peculiar. Aos 13 anos de idade iniciou sua carreira de ator e aos 18 se mudou para o Rio de Janeiro, onde se formou em Artes Cênicas e atuou em espetáculos de teatro por todo o Brasil ao lado de nomes como Debora Duarte, Tonico Pereira, Rogério Froes entre outros. Trabalhou como assistente de direção de João Fonseca, diretor dos principais musicais encenados nos dias de hoje como Tim Maia, Cassia Eller e tantos outros. Também trabalhou como assistente de direção da Rede Globo, trabalhando com os diretores Wolf Maia e Dennis Carvalho.

10506755_698577066882125_6980778831937880046_ofoto: Gutah

Sempre em paralelo seguindo com sua carreira de DJ e produtor, hoje é residente de festas de peso como Fresh, Sunset e do mais novo Club da cidade, a Danke. Também comanda o programa Festa da Cidade todos os sábados na Rádio Cidade. Moa toca House Music e suas vertentes. Com uma presença de palco única transmite uma energia para pista que se torna impossível não dançar como se não houvesse amanhã.

Se liga no bate papo com o Moa:

O Gibra: Como foi a experiencia de trabalhar com João Fonseca, um dos principais diretores de teatro do Brasil?
Moa: Com certeza foi um dos caras mais bacanas que trabalhei no teatro, além de ser um dos profissionais mais talentosos que tive a oportunidade de trabalhar se trata de um ser impar que tenho como amigo até hoje.
O Gibra: E na TV, o que era mais bacana?
Moa: A TV me deu a oportunidade de aprender a trabalhar sob pressão, pois ali os prazos devem ser cumpridos a risca e sem perder a qualidade.
O Gibra: O que você busca como DJ?
Moa: Fazer a pista dançar em uma atmosfera de alegria sem ser obvio e claro surpreendendo a galera.
O Gibra: A Fresh é uma festa bombada em Juiz de Fora e Região. Estando por dentro da festa, vc acha que isso acontece porquê?
Moa: Porque nunca pensamos apenas no lucro, estamos sempre pensando em fazer com aquelas pessoas tenham uma experiência alto astral e sempre com o que há de mais bacana em um evento de música eletrônica, desde atendimento de bar a um sound system potente e de qualidade.
O Gibra: E a nova casa, a Danke? Dá um alô aí pra galera sobre isso
Moa: Em relação a Danke a única coisa que posso dizer é que Juiz de Fora jamais viu algo parecido. Drinks, Comidinhas iradas, música ao vivo e uma experiência áudio visual de tirar o fôlego. Só indo na casa para entender realmente do que se trata a experiência Danke.

o-gibra-indica-azul-correto

  • dj
  • eletrônico
  • house music
  • Juiz de Fora
  • musica
  • Personagem
  • revista

POSTADO PELO GIBRA NO DIA 20/09/2017 ás 07:09

Marcos Guilhon

Marcos Guilhon é ator formado pela Casa das Artes de Laranjeiras (CAL), no Rio de Janeiro, desde 2004. Em 2002, decidiu fazer as malas e partir para o Rio de Janeiro para fazer aquilo que sempre foi sua paixão, atuar. Seu último espetáculo foi “O Gigante egoísta” da Artesanal Cia de Teatro, Cia em que faz parte desde 2010. Na televisão, Marcos Guilhon participou de alguns trabalhos na TV Globo, como na novela Rock Story, Babilônia, e nos programas Zorra Total, As aventuras do Didi e Clandestinos. Na Rede Record participou da novela “Luz do Sol” em 2007. Mais recentemente, Guilhon integrou o elenco da minissérie “Nada será como antes”, da TV Globo.

Foto 2 (book)foto Marcos Guilhon: Divulgação

Além de ator, também é produtor formado no Rio de Janeiro e professor de teatro e de interpretação pra TV e cinema. Há um ano e meio reside em Juiz de Fora novamente. “Com o passar do tempo, comecei a sentir muita vontade de retornar as minhas origens. Hoje em dia, quando aparece algum trabalho bacana, vou ao Rio, trabalho e volto. Tenho muitos projetos que pretendo realizar aqui na terrinha. Estou tendo sorte de encontrar e reencontrar pessoas do meio artístico da cidade incríveis e talentosas. Tenho certeza que muita coisa boa ainda vem por aí.”

Segue aí um bate papo com o ator…

O Gibra: Porque você optou pelo teatro?

Marcos Guilhon: Digamos que eu não tinha outra opção, rs. O teatro sempre foi presente em minha vida. Comecei a fazer teatro aos nove anos, sempre foi minha paixão.Quando terminei o segundo grau cheguei a começar outras duas faculdades mas não teve jeito, o que eu realmente queria fazer era teatro. Costumo dizer que o teatro salva e ele me salvou!

O Gibra: Se mudar para o Rio de Janeiro fez alguma diferença significativa para o seu trabalho como ator?

Marcos Guilhon: Com toda certeza! Porque no Rio tive a oportunidade de fazer um excelente curso que é a CAL, Casa das Artes de Laranjeiras, onde conheci pessoas incríveis, profissionais da área que me ensinaram muito e fiz amigos pra vida toda!  Além disso, trabalhei em alguns grupos onde também aprendi muito. O Rio tem muitas opções pra quem gosta de teatro. Assisti muita coisa boa por lá, e ruim também, rs. Acho que o ator precisa assistir a tudo. Tinham semanas que eu assistia de três a quatro peças. Sinto falta desse leque de opções.

O Gibra: Você acha que a TV é algo possível para atores que estão fora da cidade maravilhosa?

Marcos Guilhon: Acho que sim mas não é fácil. A TV é um segmento muito fechado. Geralmente se entra quando tem algum contato lá dentro. Pode acontecer também de algum produtor de elenco ver algum trabalho seu no teatro e convidar para algum teste. Além disso existe a possibilidade de fazer o cadastro. A TV trabalha muito com perfil mas é mais fácil contratar alguém que esteja lá do lado do que alguém de fora apesar de que quando eles cismam com alguém eles fazem o que for preciso pra ter esse alguém lá.

O Gibra: Porque a escolha de retornar para Juiz de Fora?

Marcos Guilhon: Foram quatorze anos morando no Rio. Com o tempo confesso que a cidade foi perdendo o encanto pra mim. O Rio de Janeiro é lindo mas é muito violento, caro, e faz muito calor! Não aguentava mais aquele calorão, rsrsrs. Além disso sou muito apegado a minha família que mora aqui, gosto do mato, da terra. Percebi que podia fazer teatro aqui. Tenho amigos queridos do meio aqui, temos projetos juntos. Espero conseguir realizar cada vez mais, trazer mais arte para o povo dessa cidade que tenho um carinho enorme.

O Gibra: Com você acha que anda o teatro na cidade?

Marcos Guilhon: Acho que tem um movimento bacana de teatro na cidade. Vejo alguns novos grupos se formando, com uma galera jovem e talentosa. Tem alguns espaços muito interessantes também. Fico admirado com a força de vontade dessa turma em fazer teatro em tempos tão difíceis. Quem é do teatro sabe que não podemos deixar ele morrer nunca, é o ar que a gente respira. Fico extremamente feliz em ver esse movimento.

o-gibra-indica-azul-correto

  • atuar
  • Cinema
  • impresso
  • Juiz de Fora
  • O Gibra indica
  • Personagem
  • revista
  • Teatro
  • tv