Iniciativas culturais em Juiz de Fora

O momento pede calma. O mundo espera ansioso por uma solução, um meio para que a gente consiga sair o quanto antes dessa crise. Nesses tempos, em que o contato passou a ser mais valorizado do que nunca a gente segue unido, mesmo que fisicamente separados, torcendo para que o reencontro aconteça em breve. Por falar em encontros, Juiz de Fora sempre foi aquela famosa cidade onde todo mundo conhece todo mundo, os amigos em comum, as noites em bares da cidade, os eventos culturais que nos mostram como tem gente talentosa por aqui, os encontros no relógio do Parque Halfeld, o movimentado calçadão do centro da cidade, tantas coisas que sempre foram tão comuns, por vezes até passando desapercebidas, mas que hoje fazem tanta falta. Mas enquanto tudo isso não passa a gente vai se articulando e criando novas possibilidades de encontros, mesmo  que virtualmente.

Foto Prefeitura

Pensando nisso a Funalfa está promovendo reuniões virtuais com o objetivo de dialogar com os aristas da cidade. O ciclo de debates do “Cultura Conecta” teve início na última semana do mês de abril, facilitando a comunicação com a classe artística da cidade, como destacou o diretor-geral da Funalfa, Zezinho Mancini, uma entrevista concedida ao jornal Tribuna de Minas. “Esse projeto estava sendo gestado antes da circulação do coronavírus, e acabou tendo que passar por alguns ajustes. Mas é possível que a necessidade do isolamento venha a colaborar com maior adesão, já que muitos de nós estamos nos acostumando com a rotina das reuniões virtuais. O que buscamos, nesse momento, é ativar canal direto de comunicação. Estamos focados em nos aproximar e nos apoiar mutuamente.” As reuniões são voltadas para diversos setores da cultura como música, literatura, artes visuais, entre tantas outras manifestações artísticas presentes em nossa cidade. Os temas de cada reunião foram estabelecidos a partir de um cronograma e a participação é aberta ao público geral.

Thiago Miranda

Outa iniciativa que surgiu em meio a crise foram os shows ao vivo sem plateia. As apresentações são feitas em ruas ou espaços de convivência nos condôminos, com o objetivo de levar alegria e divertimento ao público que acompanha tudo das janelas. Um exemplo disso é o projeto “Ser Estar” formado pelos músicos Alexandre Moraes e Vitor Caffaro. Buscando fugir do formato das lives, a dupla realiza shows de 30 minutos, com um repertório composto por oito músicas escolhidas em parceria com o contratante da apresentação. Retomando aos antigos costumes, os músicos apostaram no estilo serenata como forma levar um conteúdo diferenciado ao público. Outros músicos também aderiram ao novo estilo de show, como é o caso do sambista Thiago Miranda que organizou uma apresentação musical para os vizinhos. De acordo com Thiago a ideia surgiu durante uma conversa com o sindico do prédio que autorizou a realização dos shows. Com um repertório rico composto por clássicos da música brasileira, o cantor se apresentou no estilo voz e violão, proporcionando um momento diferenciado aos vizinhos.

O ritmo diminuiu, mas a cultura segue se movimentando para levar momentos de alegria até você! Em meio a tudo isso, nossa Juiz de Fora comemora mais um aniversário, esse ano as comemorações acontecem a distância, mas mesmo assim não nos esquecemos de dar os devidos parabéns a essa cidade que por tantas vezes nos orgulha.

o-gibra-indica-azul-correto

  • Tags: